Skip to main content

/node/222

Setembro Vermelho pela saúde do seu coração

Publicado em 03/09/2020 - 14:09

O Setembro Vermelho foi idealizado em 2014 pelo Instituto Lado a Lado Pela Vida para realizar campanhas sobre a saúde do coração. Setembro foi escolhido por conta do Dia Mundial do Coração, celebrado no dia 29 do mesmo mês.

Sendo uma ação social voltada aos cuidados do coração, o Setembro Vermelho pretende conscientizar a população sobre as doenças cardíacas, o que é vital para controlar o número de óbitos relacionados ao órgão, que chega a 43% em todo o mundo. Casos de derrames, infartos e outras complicações cardiovasculares ainda são uma das maiores causas de morte no planeta.

O coração é formado, basicamente, por músculos e é responsável por garantir a circulação de sangue por todo o nosso corpo, além de distribuir oxigênio e nutrientes. Cuida ainda da frequência cardíaca e da pressão arterial, dois dos principais sinais vitais do corpo. Por isso, qualquer complicação que o afete, pode ser fatal.

Ficar atento ao nível de colesterol e pressão arterial, cultivar bons hábitos alimentares, seguir uma rotina de exercícios e fazer exames periódicos são cuidados fundamentais para manter a saúde do seu coração em dia.

 

Doenças cardíacas que mais afetam a população

Insuficiência Cardíaca

 

É uma doença na qual o coração não consegue mais bombear sangue suficiente para o resto do corpo, comprometendo o funcionamento do organismo. Quando não tratada adequadamente, pode reduzir a qualidade de vida e sobrevida da pessoa.

 

Causas

Essa é uma doença que pode ser causada por diversas condições, sendo elas:

  • Doença arterial coronariana
  • Pressão alta (hipertensão)
  • Doença de Chagas
  • Ataque cardíaco
  • Endocardite
  • Miocardite
  • Consumo elevado de álcool
  • Diabetes e alguns medicamentos para tratar a doença

 

Sintomas

  • Tosse
  • Falta de ar constante
  • Inchaço dos pés, tornozelos e, às vezes, do abdômen
  • Pulso irregular ou rápido e palpitações
  • Dificuldade para dormir
  • Diminuição da atenção ou concentração
  • Perda de apetite
  • Náuseas e vômitos
  • Fadiga, fraqueza e desmaios
  • Redução do volume de urina

 

Hipertensão Arterial

Também chamada de pressão alta, a hipertensão arterial é o aumento anormal e prolongado da pressão que o sangue faz ao circular pelas artérias do corpo. Normalmente, é considerado hipertensão quando a pressão arterial se encontra acima de 18/12, sendo que o normal é 14/9.

Inclusive, a hipertensão é responsável por cerca de 80% dos casos de acidente vascular cerebral (AVC) e 40% dos infartos.

 

Causas

A hipertensão, em sua grande maioria (90% dos casos), é herdada dos pais. Porém, há alguns fatores que podem influenciar, entre eles:

  • Fumo e consumo de bebidas alcoólicas
  • Consumo alto de sal
  • Obesidade
  • Falta de atividade física
  • Níveis elevados de colesterol
  • Estresse

 

 Sintomas

A hipertensão nem sempre apresenta sintomas e às vezes não dá para perceber que a pressão está elevada. É um dos motivos pelo qual o diagnóstico pode demorar em certos pacientes.

Embora raros, os sintomas podem incluir:

  • Dor de cabeça
  • Tontura
  • Zumbido no ouvido
  • Fraqueza
  • Visão embaçada
  • Sangramento nasal

 

Arritmias Cardíaca

A arritmia cardíaca, conhecida também por disritmia ou “palpitação”, é uma condição caracterizada pela falta de ritmo nos batimentos do coração. Em suas condições normais, o órgão costumar ter de 60 a 100 batidas por minuto. Dessa forma, se ele bater mais rápido que isso (taquicardia) ou mais lento (bradicardia) é caracterizado como arritmia cardíaca.

Essa condição, quando não tratada, pode causar outras doenças, como angina, ataque cardíaco, insuficiência cardíaca e derrame.

 

Causas

Os principais fatores que podem causar essa condição são:

 

  • Tabagismo e alto consumo de álcool
  • Sedentarismo
  • Sobrepeso e obesidade
  • Apneia do sono
  • Tireoide
  • Hipertensão arterial
  • Diabetes
  • Estresse
  • Predisposição genética

 

Sintomas

Os sintomas dessa condição podem aparecer de forma repetida e desaparecer. Ou seja, não são contínuos, o que dificulta um pouco o seu diagnóstico. A arritmia pode afetar tanto pessoas com o coração saudável quanto quem já possui alguma doença cardíaca.

Seus sintomas mais comuns são:

  • Palpitações no coração, que duram de segundos a semanas
  • Falta de ar
  • Queda de pressão e desmaios
  • Fadiga
  • Enjoos e vertigem

 

Acidente Vascular Cerebral (AVC)

É causado pela falta de sangue em determinada parte do cérebro. Isso ocorre quando os vasos sanguíneos entopem ou rompem, provocando uma obstrução na artéria e a paralisia da área cerebral afetada. O AVC é uma das doenças que mais matam no Brasil, afetando principalmente os homens.

Existem dois tipos de AVC: o hemorrágico, que ocorre quando um vaso cerebral se rompe, provocando hemorragia, e o isquêmico, que, devido a obstrução da artéria, dificulta a passagem de oxigênio para as células cerebrais, que acabam morrendo. O segundo tipo é o mais incidente, representando 85% de todos os casos.

 

Causas

Independente do tipo do AVC, existem fatores de risco que podem aumentar a possibilidade da sua ocorrência. São eles:

  • Hipertensão e diabetes tipo 2
  • Colesterol alto
  • Sobrepeso e obesidade
  • Tabagismo e uso excessivo de álcool
  • Uso de drogas ilícitas
  • Idade avançada e sedentarismo
  • Histórico familiar e ser do sexo masculino

 

Sintomas

Os sintomas do AVC se iniciam rápido, por isso, é importante ficar atento para identificá-los e procurar ajuda médica o mais rápido possível. Quanto mais cedo o AVC for tratado, melhores são os prognósticos do paciente.

Confira a lista com os principais sintomas abaixo:

  • Fraqueza de um lado do corpo
  • Perda da sensibilidade de um lado do corpo
  • Paralisia de um lado do corpo
  • Dificuldade para falar
  • Perda de visão
  • Distúrbio de linguagem
  • Alteração no nível de consciência

 

Fatores que podem contribuir para problemas cardíacos

 

Sedentarismo

Pessoas que não possuem uma rotina de exercícios físicos regulares acumulam mais calorias, pois as atividades físicas evitam a formação de placas de gordura e aumentam a capacidade dos vasos de contrair e relaxar. Isso, com o tempo, acaba se refletindo no ganho de peso, altos níveis de colesterol, hipertensão, diabetes e outras condições que podem prejudicar o desempenho do coração.

 

Obesidade

A Organização Mundial da Saúde, a OMS, considera a obesidade uma epidemia global. Segundo dados, cerca de 1,9 bilhão de adultos possuem sobrepeso. Disso, quase 600 milhões estão obesos.

A obesidade é perigosa devido ao acúmulo de gordura nas veias e artérias, que dificulta a passagem do sangue e transporte de oxigênio e outros nutrientes. Isso exige mais do coração na hora de bombear sangue para os órgãos e pode gerar uma sobrecarga.

 

Tabagismo

O hábito de fumar pode resultar em diversos problemas, inclusive cardíacos, já que as toxinas do tabaco lesionam a camada interna dos vasos. Isso faz com que os tubos sanguíneos fiquem mais estreitos, acelerando o acúmulo de gordura, o que representa um quadro propício para infartos e AVCs.

Consumo excessivo de álcool

O consumo frequente de álcool pode causar hipertensão, alteração no ritmo do coração e aumento de peso, pois bebidas alcoólicas possuem alto valor calórico. Com o tempo e aos poucos, elas são capazes de danificar seriamente o fígado e o coração, provocando doenças hepáticas e cardiovasculares.

 

Hábitos para manter a saúde do coração

Pratique exercícios regularmente

Atividades físicas ajudam a afastar doenças cardiovasculares., já que melhoram a saúde do coração e dos vasos sanguíneos. Além disso, também auxilia no controle da glicose, na incidência de trombose e outras condições. Por isso, é importante tirar cerca de 30 minutos do dia para realizar algum tipo de exercício, seja caminhada ou musculação.

 

Fique atento ao colesterol

A alteração no nível do colesterol faz com se formem placas de gordura nas artérias, que pode entupir vasos. Isso é resultado de uma dieta rica em alimentos com gorduras saturadas e trans. Prefira uma alimentação saudável, incluindo na dieta o consumo de alimentos ricos em ácidos graxos e ômega 3, como castanhas e salmão, por exemplo.

 

Fuja do tabagismo

Fumantes correm 70% mais risco de sofrer um infarto em comparação com quem não fuma, já que o cigarro é um dos maiores responsáveis por potencializar os riscos de doenças no coração. Por isso, evite o tabagismo a todo custo para manter a saúde do seu coração e de outros órgãos.